Burocracia e falta de bom senso travam o avanço do saneamento em Florianópolis

Por Júlia Costa para Acqualis Engenharia Hídrica
Publicado em 1 de outubro de 2015

Depois de tantos debates e discussões sobre as alternativas de saneamento de Florianópolis, o principal recurso financeiro para saneamento do sul da Ilha foi cancelado. Enquanto havia recurso, faltava bom senso e sobrava hipocrisia. Falar de impacto ambiental de Estação de Tratamento de Esgoto é pertinente, mas não mais relevante do que a falta de saneamento.

sanea sul

Córrego no Ribeirão da Ilha recebe parte do esgoto da comunidade, hoje ligado irregularmente à rede pluvial (Imagem: Marco Santiago para o Notícias do Dia)

Avaliar os impactos das alternativas de saneamento possíveis, através de estudos técnicos e com uso de ferramentas tecnológicas, é essencial para a escolha da melhor alternativa. Mas, mais do que isso, tais impactos devem ser comparados aos impactos existentes na situação atual, que é de elevada taxa de crescimento e adensamento populacional sem saneamento algum. Certamente há melhor opção do que aquela de não fazer nada.

Ao invés de investir em fiscalização como forma de verificar na prática a operação dos projetos apresentados, anda-se na contramão da saúde pública e meio ambiente.

A equipe da Acqualis Engenharia Hídrica continuará agindo em prol do saneamento básico e vem estudando alternativas de saneamento para a região em que se inseri.

Para maiores informações, acesse:
http://ndonline.com.br/florianopolis/noticias/284868-saneamento-no-sul-da-ilha-e-questao-economica-e-de-saude-publica-diz-floripamanha.html

 

Tags: Saneamento Básico, Planejamento de Recursos Hídricos, Saúde pública, Águas Superficiais, Bacias Hidrográficas, Gestão Hídrica, Poluição, Qualidade da Água