Mar Mediterrâneo sofre acumulo de resíduos plásticos

Por Júlia Costa para Acqualis Engenharia Hídrica
Publicado em 06 de abril de 2015

Pesquisas espanholas apontam grandes acúmulos de resíduos plásticos no Mar Mediterrâneo. A pesquisa descobriu cerca de mil toneladas de plástico flutuando na superfície, principalmente fragmentos de garrafas, sacos e embalagens.

A riqueza biológica do Mar Mediterrâneo e sua importância econômica podem ser comprometidas pela a poluição de plástico. Resíduos plásticos foram encontrados no estômago de peixes, aves, tartarugas e baleias, além de terem sido encontrados microplásticos em ostras e mexilhões cultivados no litoral do norte da Europa.

bbc

“Nós identificamos o Mar Mediterrâneo como uma grande zona de acumulação de detritos de plástico”, disse Andres Cozar da Universidade de Cádiz, em Puerto Real, Espanha, e seus colegas. O pesquisador afirma ainda que devido à riqueza biológica e concentração das atividades econômicas no mar Mediterrâneo, os efeitos da poluição do plástico na vida marinha e humana são relevantes nesta região.

“Resíduos plásticos estão sendo acumulados no Mar Mediterrâneo em uma escala semelhante à de giros oceânicos, as correntes oceânicas rotativas no Oceano Índico, Atlântico Norte, Pacífico Norte, Atlântico Sul e Pacífico Sul, segundo o estudo.” A formação de zona de acumulo destes resíduos depende das correntes marítimas globais e da hidrodinâmica regional.

“A alta abundância de plástico também foi encontrada em outros mares, incluindo a Baía de Bengala, Mar do Sul da China e no Mar de Barents, no Oceano Ártico. A poluição de plástico nos oceanos se espalhou para tornar-se um problema de escala planetária depois de apenas meio século de uso generalizado de materiais plásticos, exigindo estratégias de gestão urgentes para resolver este problema.”

Comentando o estudo espanhol publicado na revista PLOS ONE, Dr David Morritt da Royal Holloway, University of London, disse que os cientistas estão particularmente preocupados com os pequenos pedaços de plástico (com menos de 5 mm de comprimento), conhecidos como microplásticos.

O estudo espanhol constatou que mais de 80% dos itens de plástico no mar Mediterrâneo são classificados como microplástcos.

“Esses fragmentos muito pequenos de plástico são engolidos por espécies marinhas, podendo liberar substâncias químicas em seus intestinos,” Dr Morritt, da Escola de Ciências Biológicas.

“O plástico não se degrada no meio ambiente – é preciso pensar com muito mais cuidado sobre como descartá-lo, reciclá-lo, e reduzir nosso uso dela.”

Fonte: BBC Environment
http://www.bbc.com/news/science-environment-32145976