Cozinhar com água da torneira e sal pode criar moléculas tóxicas para saúde

Por Phys.org
Publicado em 24 de novembro de 2015

O Cloro da água tratada misturado com sal pode trazer malefícios a saúde humana.

Cozinhar com água cloraminada poderia colocar toxinas potencialmente prejudiciais na sua alimentação, de acordo com um novo estudo publicado. O estudo revela várias moléculas que são quase completamente novas para os investigadores, criadas por cozinhar com água da torneira cloraminada e sal de cozinha iodado.

agua cloro

Os autores do estudo, da Universidade de de Ciência e Tecnologia Hong Kong e da Universidade de Nanjing, na China, dizem que mais estudos são necessários para saber mais sobre estas moléculas e seus efeitos, se houver, sobre a nossa saúde. Nesse meio tempo, limitando o tempo de cozimento e temperatura, e cozinhar com sal de mesa fortificado com iodato, em vez de iodeto, pode ser mais seguro.

Nossa água da torneira é desinfetada antes de bebê-la ou usá-la na cozinha. Isto é feito de várias maneiras, incluindo por adição de cloro ou moléculas chamadas de cloraminas que são feitas usando amônia. Estes dois processos de cloração e cloraminação tem efeito sobre a composição química da água.

Cloro ou cloraminas na água da torneira podem reagir com o sal de mesa iodado que se adiciona à comida, criando uma espécie de ácido chamado ácido hipoiodoso. Isto em si não é motivo de preocupação, mas o ácido pode então reagir com a comida e outra matéria orgânica da água da torneira para moléculas chamadas I-DBPs – moléculas que são quase completamente nova para os pesquisadores. Para o novo estudo, a equipe identificou algumas moléculas e testou sua toxicidade.

“I-DBPs formados durante o cozimento com água da torneira cloraminada ou clorada são algo novo para químicos, toxicologistas ambientais e engenheiros”, disse Zhang Xiangru, autor do estudo e professor associado da Universidade de Hong Kong de Ciência e Tecnologia correspondente. “Elas são relevantes não só para pesquisadores e profissionais, mas também para o público.”

Os pesquisadores analisaram as I-DBPs formadas durante o cozimento com água clorada e cloraminada. Eles simularam cozimento com diferentes tipos de água da torneira, temperaturas e tempo variáveis, e acrescentou farinha de trigo e sal iodado para ver quais I-DBPs seriam formados.

Usando técnicas de química de ponta, eles identificaram 14 moléculas completamente novas e determinaram a estrutura de nove moléculas. Em seguida, realizaram testes para ver o quão tóxico essas nove moléculas são e descobriram que algumas das moléculas são 50-200 vezes mais tóxicas do que outras.

“Considerando-se que essas moléculas poderiam ter um efeito adverso sobre a nossa saúde, temos de estudá-las mais para determinar exatamente quais os efeitos que possam ter,” disse o Dr. Yang Pan, um dos autores do estudo e professor assistente na Universidade de Nanjing. “Temos, portanto, que proport algumas sugestões práticas para limitar a sua formação durante o cozimento.”

As condições de cozimento, tais como o tipo de água e sal utilizado, a temperatura e o tempo de cozimento, tinham efeito sobre a formação de I-DBPs. No estudo, as moléculas estavam presentes na água de cozimento simulado em várias concentrações, de 0,72 a 7,63 microgramas por litro. Ajustando as condições de cozimento pode-se minimizar as concentrações de I-DBPs na água.

Dr. Zhang e a equipe sugerem que as pessoas usem o sal de mesa fortificado com iodato de potássio em vez de iodeto de potássio. Cozinhar em temperaturas mais baixas, por menos tempo, limita a formação de I-DBPs.

Para maiores informações, acesse:

http://phys.org/news/2015-11-cooking-chloraminated-salt-toxic-molecules.html
Tags: Tratamento de Água, Sal, Abastecimento de Água, Saúde Pública